BraStop – Compras online

Depois de vos ter falado de mamas, sinto que seria verdadeiro serviço público falar-vos de um dos sites onde comprei alguns dos meus soutiens. Após a consulta que fiz na Dama de Copas e dos soutiens que lá comprei, decidi investigar sobre o assunto, pesquisar opiniões, e, por fim, atirar-me de cabeça a uma opção online mais em conta para renovar o meu arsenal.

Dei de caras com a BraStop a partir de uma publicidade. O site já não me era totalmente desconhecido, uma vez que já tinha lido opiniões de algumas meninas acerca dele, mas até se passar pela experiência não se sabe verdadeiramente com o que contar.

A página disponibiliza a opção de pesquisa por tamanho, o que facilita imenso a seleção e o tempo a investir para conseguir modelos adequados. Além disso, para cada modelo, se necessário, são-nos dadas dicas de compra acerca dos tamanhos, isto é, um fitting guide, que ajuda a uma escolha mais pensada e à prova de erros. As reviews de clientes que ajudam a fazer uma compra mais esclarecida e oferecem, ainda, uma seleção ampla de marcas. Um dos pontos que me desapontou, é a Panache, uma das marcas que mais gosto não estar disponível para Portugal.

Por último, e para mim este é o ponto fulcral desta empresa, têm uma excelente preocupação com o cliente, e digo isto na sequência de uma idiotice que fiz. Ao compor o meu carrinho de compras não me apercebi que adicionei dois soutiens exactamente iguais ao carrinho, quando queria apenas um. Só me dei conta do erro quando a encomenda estava feita e tinha recebido a confirmação no meu email. Enviei um email de imediato a perguntar se era possível remover o artigo a mais, ou até mesmo cancelar a encomenda. A resposta chegou em menos de 24h, muito descontraída e a menina que me respondeu – a Ida, nome da menina – disse que não havia problema algum, que o soutien a mais tinha sido removido e que o valor me iria ser restituído, no máximo, em 5 dias úteis.

As devoluções e trocas também são bastante simples. O saquinho em que são enviados os artigos está estruturado para servir de embalagem de devolução, e dentro dele, para além da nossa compra, acompanha a encomenda um papelinho no qual podemos assinalar os artigos que não queremos e as razões para serem devolvidos. Dos sete artigos que comprei, só fiquei contente com dois, e um terceiro foi gentilmente adotado pela minha mãe, mas faz parte. São compras online e por muito que saibamos os nossos tamanhos, as marcas e os modelos não são todos iguais. O valor foi devolvido cerca de 10 dias após o envio e entretanto voltei a repetir compras por lá.

Ah! Para compras de valor superior a 100£ (cerca de 120€), os portes são grátis, o que é ótimo para quem está mesmo a precisar de renovar o stock.

Website – BraStop.com

Oficina de fadas em lã – Sonhos de Mamã na Gira Terra oficina de artes

Cruzei-me com a página de Instagram da Gira Terra há cerca de dois meses e afirmei cá por casa em plenos pulmões que haveria de experimentar muitos dos workshops que apareciam pelo feed. Estreei-me com a oficina de fadas em lá de merino, conduzida pelas mágicas mãos da Marina Pinto, da Sonhos de Mamã, que encanta qualquer um com o seu sorriso e simplicidade.

Quem vê o resultado final está bem longe de imaginar que o processo é bastante ágil e intuitivo. Lã, cola quente, alguma destreza manual e uma boa professora são os ingredientes necessários para se conseguir um resultado maravilhoso. A Marina explicou o passo a passo e todos os truque fundamentais para “pentear” uma fada até ao seu resultado final. Sabendo a base, é recriar as versões que se adaptarem aos vossos gostos: inspiradas nas princesas da Disney, mais selvagens, mais tradicionais, com acessórios, de cabelo azul, … as opções são quase infinitas!

Foi uma tarde muito bem passada, de aprendizagem e partilha, com muito boa conversa à mistura.

Já conheciam a Gira Terra? Fiquem de olho, como eu, e quem sabe se não nos cruzaremos numa futura oficina!

Mercadim – Por um(a) Povo(a) mais sustentável

O Mercadim é um mercado sustentável organizado pela associação Verdim (https://www.verdim.pt/). Esta associação de conservação ambiental da Póvoa de Varzim assume-se como um grupo de amigos “apreciadores de cerveja e chocolate” que pretende contribuir para reversão do cenário de degradação e desgaste do planeta, contribuindo ativamente para a sua recuperação.

O mercado decorre nos dias 25 (hoje!) e 26 de maio, na fortaleza da Póvoa de Varzim e conta com umas mãos cheias de expositores e iniciativas que contribuem para um presente e futuro mais ecológico e amigo do ambiente. Workshops de culinária, demonstrações e atividades para crianças são só alguns exemplos do que poderão fazer por cá. É também um mercado pet-friendly, por isso, podem visitá-lo bem acompanhados pelos vossos patudos.

Para serem sócios da Verdim e apoiarem uma associação que luta por um mundo melhor para todos, basta investirem 5€ anuais, e receberão em primeira mão, informação sobre as iniciativas destas pessoas com um coração tão bom quanto verde. Por cá já fizemos a nossa parte!

Fiquem com algumas fotos do evento e visitem, até amanhã, este mercado. Vale muito a pena.

Alkanatur – Guia de utilização

Conhecido o conceito, fica a faltar conhecer a Alkanatur Drops, a jarra que nos veio fazer companhia cá para casa desde que a conhecemos, na Health 4 Beauty. Para além de ficarem a conhecer o quão tosca sou a seguir instruções, também ficam a saber quais os componentes e como montar o kit que vos permitirá beber uma água com pouco impacto no ambiente e grande efeito para a saúde!

Site da Alkanatur – https://alkanatur.pt/

Alkanatur – Um jarro para a vida toda

Garrafões e mais garrafões de água todas as semanas cá por casa: era o cenário que nos acompanhava até termos decidido optar por uma jarra de filtragem. Aquando da compra – um pouco por impulso, confesso – não analisei as diversas opções do mercado, e estava longe de saber que a minha escolha não era a mais indicada por uma panóplia alargada de razões.

Ter-me cruzado com a Alkanatur na Health 4 Beauty foi um dos mais felizes acasos dos últimos tempos. Captei a atenção do Juan Carlos Novo por lhe responder à sua interpelação em Espanhol e daí surgiu uma agradável conversa de cerca de uma hora, em que me comprovou, cientificamente, um par de coisas bem interessantes em relação aos comuns hábitos de consumo de água, comparativamente com os benefícios da sua jarra.

O conceito é bem simples: filtrar água com o mínimo de impacto ambiental possível, livre de componentes nocivos para o organismo e com o bónus de alcalinizar a água. O filtro dura imenso tempo e podemos considerá-lo expirado a partir do momento em que o pH da água deixa de ser alcalino.

A melhor forma de conhecerem a Alkanatur é precisamente através do seu CEO, por isso, deixo-vos com esta curta reportagem, na esperança de vos incentivar a dar mais um passo na direção da mudança.

Site da Alkanatur – https://alkanatur.pt/

Cenas de gaja – Vamos falar de mamas


Imagem do artigo New York Women Draw Their Own Boobs

Grandes, pequenas, redondas, naturais, arrebitadas, discretas, com silicone, achatadas, … Seja homem ou mulher, todos nós temos mamas, mas é óbvio que, por questões biológicas, as das mulheres tendem a assumir uma posição mais evidente. Eu sempre tive uma relação amor-ódio com as minhas, pelas mais diversas razões, mas com o tempo aprendi a gostar e a cuidar delas, e é acerca do último ponto que vos venho falar.

Durante muitos anos usei soutiens inapropriados. Enquanto miúda, isso não estava nas minhas mãos. Recordo-me de implorar à minha mãe por soutiens mais bonitos, com aros, com padrões, e ela me recusar o pedido por ser um artigo caro. E, de facto, bons soutiens são caros, mas ela também não tinha bem noção do que seria mais adequado para mim e acabava por me comprar opções de fraca sustentação e pouco adequadas, o que contribuiu para a degeneração das minhas gémeas.

Já mais velha, sempre que precisava de comprar soutiens era um martírio! Primeiro, porque era complicado encontrar modelos que me servissem. Para além disso, os que havia eram sempre muito simples e sem piada, e a tarefa em si não me entusiasmava.

Há cerca de um ano e pouco decidi-me a entrar na Dama de Copas, farta de saber que ali seria o local adequado para encontrar a solução ideal para mim. Só não o fiz mais cedo por saber que os preços eram acima daquilo que eu estava habituada, mas a minha saúde e a felicidade das minhas maminhas mereciam melhor. Fiz uma consulta de bra fitting, fui tratada como uma princesa e saí de lá a saber muito sobre estes apêndices que aqui tenho.

Um soutien não é um mero acessório estético, ou apenas algo que vos aconchegue as mamas ao corpo. Acima de tudo, é um produto ortopédico que faz maravilhas, principalmente no caso de quem tem mamas maiorzinhas. Descobri que sou um 36DD/E, que é como quem diz, o primeiro tamanho que não existe nas lojas convencionais, e que usava soutiens com as costas demasiado largas e a copa muito pequena.

Aprendi como usar, acondicionar e lavar soutiens para aumentar a sua durabilidade e quais as soluções ideais para as várias situações. Descobri, com grande entusiasmo, que um soutien deve ser bem ajustado nas costas, sendo que a banda que acompanha a peça é a principal responsável pela sustentabilidade do peito, descobri que as alças não devem suportar o peito, mas sim dar uma ajudinha extra, aprendi a “arrumar” a mama na copa e outro sem-número de dicas que melhoraram a minha experiência enquanto ser portador de mamas. Não menos importante, aprendi a lavar e a cuidar de soutiens para potenciar a sua durabilidade.

Se tiverem a hipótese, façam uma consulta de bra fitting e informem-se acerca do assunto. Na era da informação não há necessidade alguma de andarmos desinformados e a prejudicarmo-nos com práticas que podiam ser facilmente alteradas.

Com o tempo, notei que a pele do peito ficou com melhor aspeto, por já não ser sujeita a tanta tensão, senti melhoria da postura das costas e um maior conforto em geral. Ainda assim, continuo a ser uma mera leiga no assunto, mas senti-me na obrigação de partilhar a minha experiência. Quem sabe se a partir de agora não haverá mais maminhas felizes por aí?

Empadão de atum e batata doce – Clássico com um twist

Quando eu era pequena o dia do empadão era à quarta-feira. Camadas de batata intercaladas com carne picada envolvida em molho e uma crosta de ovo batido. Simples! Com o passar dos anos deixei de comer batata comum por ser um tubérculo que não me despertava muito interesse, substituindo-a pela mais nutritiva batata doce.

Como consequência natural desta escolha, comecei a adaptar as receitas e a experimentar coisas novas, e este empadão de atum e batata doce surge quase por acidente. A falta de carne picada em casa levou-me a substituir a proteína pelo atum em lata, que tenho sempre em stock, e surgiu esta versão desenrascada de um clássico.

Ingredientes (para 3 pessoas):
– 3 batatas doces médias
– leite q.b. (usei bebida de soja)
– manteiga q.b. (usei margarina)
– 1 lata de atum média (de 385gr)
– 1 + ½ cenouras médias raspadas
– ½ cebola média picada
– 250ml de polpa de tomate
– 100gr de queijo mozarela ralado
– noz-moscada q.b.
– pimenta q.b.
– sal q.b.
– azeite q.b.

Procedimento
Puré:
Cozer as batatas com uma pitada de sal;
Escorrer bem as batatas e esmagá-las com um pouco de manteiga e leite, até ficarem macias, e temperar com a noz-moscada e a pimenta.

Preparado de atum:
Refogar a cebola numa frigideira com um fio de azeite, até ficar dourada;
Acrescentar a cenoura raspada e deixar cozinhar cerca de 5 minutos;
Adicionar o atum, envolver, e juntar a polpa de tomate;
Temperar com sal e pimenta.

Empadão:
Colocar metade do puré no fundo de uma travessa, seguida da camada de atum e finalizar com o restante puré;
Cobrir o topo com queijo ralado (ou ovo batido, se quiserem ser mais tradicionais) e levar ao forno até dourar.

Me Luna – O copo menstrual à medida de todas

Há já alguns anos que tive vontade de abandonar os tampões e os pensos higiénicos em busca de uma solução mais sustentável, saudável e económica. Sabendo eu da existência de soluções mais inteligentes no mercado, seria uma palermice insistir em algo que sei que gera imenso desperdício e que pode provocar complicações de saúde.

Com isto em vista, comprei um copo menstrual  Silver Care com as características que melhor se adaptavam ao meu corpo e… acabei por nunca o conseguir usar. O copo era muito grande, não abria após a inserção e o rebordo ficou danificado só por ter sido dobrado.

Sabendo que o ponto que falhara se devia à escolha da marca, quando tive conhecimento que a Me Luna iria marcar presença na Health 4 Beauty, não hesitei em me dirigir ao stand mal o localizei. Já conhecia a marca pelo que tinha lido online e atraiu-me particularmente pela versatilidade. Falei com a queridíssima Isabel Girão que confirmou a minha suspeita em relação ao copo anterior: era demasiado grande e com uma dureza inadequada aos meus músculos pélvicos, uma vez que pratico exercício físico regularmente. Comprei um Me Luna tamanho M, sporty, isto é, mais rígido, e com pega em bola.

Relativamente à utilização, em nada se compara com a aterradora primeira experiência com o copo anterior, ainda assim, não foi tão fácil quanto eu havia idealizado.

Copo esterilizado em água a ferver durante alguns minutos e toca a tentar usá-lo. E não é que ele também não abria no lugar? E não acertava com o colo do útero, era sempre ao lado! Três tentativas depois – e um ligeiro sangramento que me assustou – decidi não insistir e tentar mais tarde. Fui ao site do Me Luna, li umas quantas FAQ’s e decidi tentar com uma dobragem nova, em “7”. Posição confortável, copo dobrado e tcharaaaam! Magia! Abriu no sítio e ficou direitinho no lugar. Ainda assim, na vez seguinte em que o tirei para higienizar tive dificuldades em inseri-lo novamente. Mas à terceira ou quarta tentativa o processo já se havia tornado mais intuitivo… Lá acertei com a posição se inserção, colo do útero encaixadinho no lugar e copo a abrir sem grandes dificuldades. Isto dito assim até parece que foi simples, mas nem imaginam o drama, que nem novela mexicana, que se desenrolou nesta cabecinha meia em pânico.

Foi fácil? Não, nadinha. Mesmo, mesmo nada. Valeu a pena. Valeu, e vale sempre a pena quando é para bem da nossa saúde e para salvaguarda do ambiente.

Sente Senas Naturais – A caminho de uma vida mais ecológica e sustentável

Nesta publicação de fevereiro (https://hashtagdondoca.com/ecotools-pinceis-amorosos-e-amigos-do-ambiente/) expressei já um pouco da minha vontade de assumir um estilo de vida mais sustentável e ecológico, bem como dos meus problemas de comodismo que há muito se vêm a arrastar. No início de março, após um golpe de “vamos lá fazer isto” decidi concretizar uma encomenda de produtos do dia-a-dia que tenho andado a adiar sem motivo lógico.

Acompanho a página Sente Senas Naturais no Instagram há muito tempo, e nem sei bem como acabei por ir lá parar em primeiro lugar. Apenas sei que as coisas que a Joana – dona da página e bruxinha do bem – publica me inspiram pela sua boa energia e pela consciência ambiental. Já tinha vasculhado no site inúmeras vezes, construído carrinhos de compras, mas o que me fez, desta vez, avançar definitivamente para uma encomenda foi a disponibilidade de um dos artigos que adquiri. Depois de ter tirado umas quantas dúvidas, este foi o resultado da minha primeira grande compra a caminho de uma vida mais ecológica e sustentável:

Pit Stop
O desodorizante foi o primeiro artigo que experimentei. Eu sou do tipo de pessoas que entra em pânico se está na rua e se apercebe que não colocou desodorizante, por isso, já devem imaginar o quão necessário era esta mudança no meu dia-a-dia. Os primeiros dois dias de utilização foram estranhíssimos, não pelo uso em si, mas pelo modo como a minha pele reagiu à mudança: no lugar de duas axilas, passei a ter um par de torneiras que jorravam líquido a toda a hora. Felizmente esta adaptação do corpo ao novo desodorizante foi rápido, e nos dias seguintes a única coisa que senti (e ainda bem!) foi conforto. O cheirinho é maravilhoso e, como se trata de um produto tão efetivo, basta uma quantidade mínima para aguentar o dia todo.

BFF
Comprei este bálsamo regenerador com o propósito de disfarçar uma cicatriz e, de facto, ficou menos evidente. O odor a plantas é bastante forte, sendo que das primeiras utilizações cheguei mesmo a sentir tonturas após a sua aplicação. Também já o apliquei em queimaduras e em todos os usos que lhe dei, atenua a sensação de repuxamento da pele, acalma a dor/ardor e acelera e cicatrização.

Morning Glory e Namasté
Coloquei estes dois artigos no mesmo apartado porque os utilizo em conjunto.

O sérum Morning Glory é maravilhoso! Tem uma textura muito reconfortante e hidratante e um cheirinho mágico. Sinto que fez bastante pela minha pele, que estava um pouco mal tratada pelo frio e por outras agressões externas. O creme de dia Namasté, para peles oleosas, tem uma textura leve e confortável, ajudando a minimizar a secura nos sítios certos, sem adicionar oleosidade à pele. No entanto, para que não fique com sensação oleosa ao longo do dia, tenho que trabalhar bem os dois produtos na pele, de forma a que seja quase tudo absorvido. Estes dois produtos aceitam muito bem maquilhagem, aguentando tanto tempo como qualquer outro creme.

Shiva
O champô Shiva para cabelos oleosos foi o último dos artigos que testei, e isto deveu-se ao facto de eu ainda ter uns quantos champôs a uso. Se o meu propósito é minimizar o meu impacto ecológico no ambiente, não iria descartar produtos em bom estado e capazes de fazer o seu propósito. No fundo, só adiaria um pouco os benefícios para o meu cabelo. Não sei por que razão, achava eu que o champô não iria produzir qualquer espuma – desenganem-se! Faz tanta espuma como um champô comum e, para além disso, dura muito mais tempo por ser em barra, o que evita desperdício de produto. O meu cabelo reagiu muito bem à mudança: Após a lavagem o cabelo fica macio e leve, apesar de me dar mais luta a escovar, porque se enreda. Talvez por falta de jeitinho meu, não sei… No entanto, acontece-me algo estranho após secar o cabelo, que não sei se desaparecerá com o tempo. A escova – uma Tangle Teezer preta – após pentear, fica com resíduos brancos. Não sei se será consequência da mudança em si ou resultado natural do champô, mas creio que daqui a umas semanas já conseguirei descobrir de que se trata.

Como queria dar uma opinião informada acerca destes artigos, fiz questão de os testar durante um tempo considerável até formar uma opinião. De facto, são artigos de muito boa qualidade, com um preço bastante acessível e, o melhor de tudo, feitos com amor, pelas mãos de quem sabe, minimizando o impacto ambiental e em temos de saúde. Não é bom saber que podemos contar com opções tão boas? Estou a produzir menos desperdício (menos plástico!!), a utilizar recursos sustentáveis e ecológicos, a apoiar um projeto pequeno e maravilhoso e a tratar a minha pele com os presentes que a natureza nos disponibiliza. Depois de acertarmos com os produtos dos quais gostamos e nos fazem bem, não desperdiçamos dinheiro a comprar artigos para testar que muitas vezes acabam por se encostar à prateleira e ser mais um mono na nossa existência. Quanto menos nos rodearmos de coisas supérfluas, melhor!

Custa muito mudar de hábitos, bem sei. Todo este processo está a custar-me imenso a mim, mas é um trabalho mental que quero fazer e incentivar os outros a levar a cabo, porque, na verdade, não me beneficia só a mim e nem é algo assim tão complicado. É tudo uma questão de cedências e de criação de novos hábitos que, neste caso, fazem bem ao corpo, à alma e ao meio ambiente.

Se quiserem consultar o valor e outros detalhes dos produtos, basta visitarem o site: https://www.sentesenasnaturais.pt/

Helps Teas – O melhor do Oriente e do Ocidente

Descobri a Helps Teas na Health 4 Beauty e fiquei imediatamente fã. A empresa, que há cerca de meio ano decidiu partir para a conquista do mercado português, baseia a sua filosofia na dicotomia Oriente-Ocidente apresentando, por um lado, uma gama de infusões de inspiração Ayurvédica e, por outro, outra gama que segue princípios funcionais de inspiração ocidental.

A Helps Balance – de inspiração oriental – é constituída por infusões assentes nos princípios da Ayurveda, isto é, uma vez que a saúde depende do equilíbrio entre o corpo, a mente e a alma, esta gama oferece infusões que influenciam, não só o bem-estar físico, como o equilíbrio mental. Purify, Detox, Peace, Digest, Energy e Love são os nomes destas mesclas de plantas e especiarias, com sabores únicos e um caráter bem marcado.

Já a gama Helps Funcional consiste em infusões funcionais com base em plantas medicinais de excelente qualidade. E o que significa ser uma infusão funcional? Ora, trata-se de infusões com benefícios para a saúde. Estes chás estão disponíveis em variedades que representam um ciclo diário e que beneficiam diferentes aspetos da nossa rotina, sendo eles os Live, Digest, Detox e Rest & Relax, aos quais se juntam Go Regular e Respir Breath, destinadas a ajudar com problemas de saúde mais específicos.

O design das embalagens é muito bonito, diferente e apelativo, o que se torna uma mais-valia que completa bastante bem o conceito da marca. Para além disso, ajuda a identificar as diferentes infusões entre si para facilitar o seu manuseamento.

Estes chás já se encontram à venda em algumas ervanárias e lojas da especialidade. Quem já experimentou?

Workshop da Helps Teas no evento Health 4 Beauty 2019: