Alkanatur – Guia de utilização

Conhecido o conceito, fica a faltar conhecer a Alkanatur Drops, a jarra que nos veio fazer companhia cá para casa desde que a conhecemos, na Health 4 Beauty. Para além de ficarem a conhecer o quão tosca sou a seguir instruções, também ficam a saber quais os componentes e como montar o kit que vos permitirá beber uma água com pouco impacto no ambiente e grande efeito para a saúde!

Site da Alkanatur – https://alkanatur.pt/

Alkanatur – Um jarro para a vida toda

Garrafões e mais garrafões de água todas as semanas cá por casa: era o cenário que nos acompanhava até termos decidido optar por uma jarra de filtragem. Aquando da compra – um pouco por impulso, confesso – não analisei as diversas opções do mercado, e estava longe de saber que a minha escolha não era a mais indicada por uma panóplia alargada de razões.

Ter-me cruzado com a Alkanatur na Health 4 Beauty foi um dos mais felizes acasos dos últimos tempos. Captei a atenção do Juan Carlos Novo por lhe responder à sua interpelação em Espanhol e daí surgiu uma agradável conversa de cerca de uma hora, em que me comprovou, cientificamente, um par de coisas bem interessantes em relação aos comuns hábitos de consumo de água, comparativamente com os benefícios da sua jarra.

O conceito é bem simples: filtrar água com o mínimo de impacto ambiental possível, livre de componentes nocivos para o organismo e com o bónus de alcalinizar a água. O filtro dura imenso tempo e podemos considerá-lo expirado a partir do momento em que o pH da água deixa de ser alcalino.

A melhor forma de conhecerem a Alkanatur é precisamente através do seu CEO, por isso, deixo-vos com esta curta reportagem, na esperança de vos incentivar a dar mais um passo na direção da mudança.

Site da Alkanatur – https://alkanatur.pt/

Cenas de gaja – Vamos falar de mamas


Imagem do artigo New York Women Draw Their Own Boobs

Grandes, pequenas, redondas, naturais, arrebitadas, discretas, com silicone, achatadas, … Seja homem ou mulher, todos nós temos mamas, mas é óbvio que, por questões biológicas, as das mulheres tendem a assumir uma posição mais evidente. Eu sempre tive uma relação amor-ódio com as minhas, pelas mais diversas razões, mas com o tempo aprendi a gostar e a cuidar delas, e é acerca do último ponto que vos venho falar.

Durante muitos anos usei soutiens inapropriados. Enquanto miúda, isso não estava nas minhas mãos. Recordo-me de implorar à minha mãe por soutiens mais bonitos, com aros, com padrões, e ela me recusar o pedido por ser um artigo caro. E, de facto, bons soutiens são caros, mas ela também não tinha bem noção do que seria mais adequado para mim e acabava por me comprar opções de fraca sustentação e pouco adequadas, o que contribuiu para a degeneração das minhas gémeas.

Já mais velha, sempre que precisava de comprar soutiens era um martírio! Primeiro, porque era complicado encontrar modelos que me servissem. Para além disso, os que havia eram sempre muito simples e sem piada, e a tarefa em si não me entusiasmava.

Há cerca de um ano e pouco decidi-me a entrar na Dama de Copas, farta de saber que ali seria o local adequado para encontrar a solução ideal para mim. Só não o fiz mais cedo por saber que os preços eram acima daquilo que eu estava habituada, mas a minha saúde e a felicidade das minhas maminhas mereciam melhor. Fiz uma consulta de bra fitting, fui tratada como uma princesa e saí de lá a saber muito sobre estes apêndices que aqui tenho.

Um soutien não é um mero acessório estético, ou apenas algo que vos aconchegue as mamas ao corpo. Acima de tudo, é um produto ortopédico que faz maravilhas, principalmente no caso de quem tem mamas maiorzinhas. Descobri que sou um 36DD/E, que é como quem diz, o primeiro tamanho que não existe nas lojas convencionais, e que usava soutiens com as costas demasiado largas e a copa muito pequena.

Aprendi como usar, acondicionar e lavar soutiens para aumentar a sua durabilidade e quais as soluções ideais para as várias situações. Descobri, com grande entusiasmo, que um soutien deve ser bem ajustado nas costas, sendo que a banda que acompanha a peça é a principal responsável pela sustentabilidade do peito, descobri que as alças não devem suportar o peito, mas sim dar uma ajudinha extra, aprendi a “arrumar” a mama na copa e outro sem-número de dicas que melhoraram a minha experiência enquanto ser portador de mamas. Não menos importante, aprendi a lavar e a cuidar de soutiens para potenciar a sua durabilidade.

Se tiverem a hipótese, façam uma consulta de bra fitting e informem-se acerca do assunto. Na era da informação não há necessidade alguma de andarmos desinformados e a prejudicarmo-nos com práticas que podiam ser facilmente alteradas.

Com o tempo, notei que a pele do peito ficou com melhor aspeto, por já não ser sujeita a tanta tensão, senti melhoria da postura das costas e um maior conforto em geral. Ainda assim, continuo a ser uma mera leiga no assunto, mas senti-me na obrigação de partilhar a minha experiência. Quem sabe se a partir de agora não haverá mais maminhas felizes por aí?

Empadão de atum e batata doce – Clássico com um twist

Quando eu era pequena o dia do empadão era à quarta-feira. Camadas de batata intercaladas com carne picada envolvida em molho e uma crosta de ovo batido. Simples! Com o passar dos anos deixei de comer batata comum por ser um tubérculo que não me despertava muito interesse, substituindo-a pela mais nutritiva batata doce.

Como consequência natural desta escolha, comecei a adaptar as receitas e a experimentar coisas novas, e este empadão de atum e batata doce surge quase por acidente. A falta de carne picada em casa levou-me a substituir a proteína pelo atum em lata, que tenho sempre em stock, e surgiu esta versão desenrascada de um clássico.

Ingredientes (para 3 pessoas):
– 3 batatas doces médias
– leite q.b. (usei bebida de soja)
– manteiga q.b. (usei margarina)
– 1 lata de atum média (de 385gr)
– 1 + ½ cenouras médias raspadas
– ½ cebola média picada
– 250ml de polpa de tomate
– 100gr de queijo mozarela ralado
– noz-moscada q.b.
– pimenta q.b.
– sal q.b.
– azeite q.b.

Procedimento
Puré:
Cozer as batatas com uma pitada de sal;
Escorrer bem as batatas e esmagá-las com um pouco de manteiga e leite, até ficarem macias, e temperar com a noz-moscada e a pimenta.

Preparado de atum:
Refogar a cebola numa frigideira com um fio de azeite, até ficar dourada;
Acrescentar a cenoura raspada e deixar cozinhar cerca de 5 minutos;
Adicionar o atum, envolver, e juntar a polpa de tomate;
Temperar com sal e pimenta.

Empadão:
Colocar metade do puré no fundo de uma travessa, seguida da camada de atum e finalizar com o restante puré;
Cobrir o topo com queijo ralado (ou ovo batido, se quiserem ser mais tradicionais) e levar ao forno até dourar.